Fim do Primeiro Império


Neste artigo você vai aprender todas as informações importantes a respeito do fim do primeiro império brasileiro, também conhecido historicamente como primeiro reinado. Vai descobrir quem são os principais personagens desta fase da política do nosso país, qual era o contexto histórico e o que ocorreu depois. Veja a seguir.

Fim do Primeiro Império

Contexto Histórico do Fim do Primeiro Império

Antes de falarmos diretamente a respeito do fim do primeiro império, vamos fazer um resumo a respeito do contexto histórico. Afinal, foi devido a tudo que estava acontecendo no país que Dom Pedro I precisou renunciar ao seu poder.

Este período histórico aconteceu entre os anos 1922 e 1931, mais precisamente a partir do dia 7 de setembro de 1922, data em que Dom Pedro I proclamou a independência do país, até dia 7 de abril de 1931.

A independência do Brasil veio a acontecer devido a diversos fatos interessantes. Tratava-se de um momento movimentado da história mundial. Napoleão Bonaparte declarava guerra a vários países aliados à Inglaterra e por isso, acabou invadindo Portugal.

A cora britânica, portanto, a fim de ajudar seus aliados, financiou a fuga a família real para o Brasil, em 1808 e no ano de 1825, Dom João VI tornou-se Rei do país, que foi batizado de Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, e a cidade do Rio de Janeiro tornou-se a capital.

Deu-se início a um movimento de modernização do Brasil, que passara de ser colônia para ser um país diferente. Começou uma pequena industrialização do Rio de Janeiro e o comércio com outros países dava os primeiros passos, principalmente com a Inglaterra.

Mas este momento não era somente de prosperidade e paz e muitos problemas políticos rondavam a família real e a Revolução do Porto se iniciava em 1920. Com a pressão que ocorria internamente e uma maior tranquilidade na Europa, já que Napoleão havia sido deposto, Dom João VI sentiu-se obrigado a deixar o Brasil em 1922.

Neste momento, seu filho, Pedro de Bourbon e Bragança, anuncia que vai ficar no Brasil, data que ficou conhecida historicamente como “Dia do Fico”. Dom João VI rebaixou novamente a situação do Brasil para uma colônia de Portugal e se foi.

O povo brasileiro não ficou nada contente com a desclassificação do Brasil e, portanto, fizeram um abaixo assinado com mais de 9000 assinaturas que acabou convencendo Dom Pedro I a proclamar a independência do Brasil e tornar-se imperador.

Assim D. Pedro I começou o primeiro império. Logo de início, passou a tentar retirar os focos de resistência portuguesa da região, que não eram poucos. Por isso, precisou contratar militares europeus, em sua maioria franceses e ingleses e somente assim, conseguiu acalmar o país.

Em 1923, Dom Pedro I convocou a primeira constituinte, que acabou se tornando um dos seus primeiros fracassos. Dom Pedro jamais desejara comandar um país como um déspota cruel, mas sim, buscava conquistar o amor e admiração do seu povo.

A primeira constituição foi outorgada em 1924, muito influenciada pela da Espanha e da França. Nela, foram definidas as regras eleitorais e foram criadas a Assembleia Geral que era composta pelo Senado e pela Câmara dos deputados, ambos com representantes eleitos pelo próprio povo.

O Fim do Primeiro Império

O declínio do primeiro império começou logo em seguida, quando forças políticas que estavam presentes no nordeste brasileiro se rebelaram contra a constituição e o império. Eles desejavam uma república totalmente livre da cora portuguesa e queriam que Recife, fosse a capital do país, cujo nome seria Confederação do Equador.

Apesar de forte, o movimento foi violentamente reprimido, porém, logo em seguida surgiu a Guerra da Cisplatina na qual os Uruguaios, apoiados pela Argentina, passaram a dominar a região da Província da Cisplatina criando as Repúblicas Unidas do Rio da Prata.

O império de Dom Pedro I não conseguiu vencer esta batalha, que acabou gerando a independência do Uruguai agravando ainda mais a crise política e econômica do Brasil. Logo em seguida, Dom João VI nomeia Dom Pedro I como seu sucessor em Portugal.

Dom Pedro I aceita, porém assim que retorna ao Brasil abdica ao trono, pois ele não pode ter as duas posições, mas garantindo a sucessão à sua filha. Por este motivo, a população fica contra Dom Pedro I, que ainda tem que lidar com questões políticas e econômicas bastante delicadas.

Com tantas pressões acontecendo ao mesmo tempo, Dom Pedro I não resiste a acaba abdicando ao império no dia 7 de abril de 1931, deixando o poder para seu filho, que na época tinha apenas 5 anos de idade, Dom Pedro II e assim se dava o fim do primeiro império no Brasil. Alguns dos problemas que aconteciam internamente eram:

  • Aumento dos preços dos alimentos
  • Crise devido à exportação do açúcar
  • Guerra da Cisplatina

Dom Pedro I nomeou então José Bonifácio de Andrada e Silva como tutor de seu filho e voltou para Portugal. Ele faleceu poucos anos mais tarde, em 1934, em Sintra.